Uma epidemia está matando milhares de porcos na Ásia – e ela continua a se espalhar


Autoridades sanitárias na Ásia ficaram em alerta vermelho nesta semana, depois da notícia de que a epidemia de Febre Suína Africana, que castiga a China desde o ano passado, e já levou ao sacrifício mais de 900 mil animais no país, cruzou a fronteira e chegou à Mongólia.

O vírus – que não é conhecido por causar danos a seres humanos – já causa grandes prejuízos financeiros aos produtores e ao mercado de carne de porco na China, que é o maior do mundo. Os sacrifícios de animais doentes são uma tentativa de conter o espalhamento da doença, em uma região superconectada onde a propagação é relativamente fácil.

Segundo um professor especialista entrevistado pela Bloomberg, o fato de a febre ter sido detectada na Mongólia, um país com baixa densidade populacional de porcos, indica que o vírus já conseguiu se espalhar, e que pode se tornar uma dor de cabeça ainda maior para as autoridades e produtores.

Por enquanto, este é apenas o segundo país asiático a registrar a doença, mas de acordo com observadores da divisão de Alimento e Agricultura da ONU, é quase certo que ela atravessará outras fronteiras, como da Tailândia, Vietnã e Myanmar, três países considerados sob risco maior.

Enquanto isso, as autoridades chinesas continuam seus esforços de vigilância intensificada, que inclui o sacrifício de ainda mais porcos doentes. Por ora, ainda não há uma vacina produzida contra a doença.

Fonte: Bloomberg