April 22, 2020

Médicos dizem que danos aos pulmões de pacientes com COVID-19 podem ser permanentes

Médicos dizem que danos aos pulmões de pacientes com COVID-19 podem ser permanentes

Médicos na Áustria e na China lidando com pacientes que se recuperaram da infecção pelo COVID-19 detectaram que, nos casos em que houve danos pulmonares, essas lesões podem ser permanentes. Um estudo com 12 pacientes em Hong-Kong mostrou que pelo menos dois deles tiveram suas funções pulmonares reduzidas entre 20 e 30% após a recuperação da doença.

A suspeita é que a diminuição na capacidade pulmonar possa estar relacionada a um efeito de fibrose. Ou seja, as lesões causadas pela doença se recuperam na forma de um tecido de cicatriz, que diminui a capacidade do órgão de levar oxigênio ao sangue, causando, como consequência, falta de ar. O quadro não pode ser curado pois a fibrose pulmonar não regride ao estado normal dos tecidos.

Pesquisas mais aprofundadas precisam ainda ser feitas para comprovar os achados de Hong-Kong.

Outro estudo, conduzido na Universidade de Innsbruck, na Áustria, mostrou resultados semelhantes. Os pulmões de pacientes já recuperados se revelaram, após exames de radiografia, com "alterações pulmonares persistentes", resultando em sintomas similares aos encontrados em uma pessoa asmática em situações de estresse ou exercício físico.

"Eu até liguei no raio-x para ver se eles trocaram as fotos, porque um paciente saudável estava sentado na nossa frente", diz Frank Hartig, médico sênior da Clínica da Universidade de Innsbruck. "O dano aos pulmões é irreversível."

Ainda é cedo para concluir os efeitos de longo prazo do COVID-19 sobre a saúde de pessoas infectadas. A comunidade médica busca compreender mais profundamente a forma como o vírus age no organismo humano, e a extensão dos estragos deixados por ele. Enquanto isso, siga em casa, protegendo-se e protegendo aqueles que estão ao seu redor de um possível contágio.