Ministro Sergio Moro questiona liberdade de imprensa em mensagem no Twitter


O ex-juiz e atual Ministro da Justiça e Segurança Pública do Brasil, Sergio Moro, questionou a liberdade de imprensa em uma mensagem publicada na manhã desta terça-feira (16 de julho) no seu perfil público no Twitter.

Primeiro, Moro se descreve como “grande defensor da liberdade de imprensa”, mas em seguida questiona essa mesma liberdade, mostrando-se incomodado pelo noticiário que divulga mensagens dele, do procurador Deltan Dallagnol e de outros integrantes da força-tarefa da investigação Lava-Jato, em conversas que revelam condutas anti-éticas e juridicamente questionáveis: “Essa campanha contra a LavaJato e a favor da corrupção está beirando o ridículo.”

O último lote de mensagens divulgadas, pela Folha de S.Paulo em parceria com o The Intercept, que articula a publicação das mensagens com outros veículos da mídia brasileira, revela o plano de Dallagnol de lucrar, ainda no exercício da função de procurador, como palestrante em eventos, aproveitando-se da popularidade da Lava-Jato. As mensagens revelam que Dallagnol cobrou cachê de cerca de R$ 30 mil, mais passagens e hospedagem no resort Beach Park, no Ceará, para ele e para a família, como pagamento por uma palestra sobre combate à corrupção na Fiec (Federação das Indústrias do Ceará), em julho de 2017. As mensagens revelam que ele recomendou a Moro que fizesse o mesmo.

A mensagem publicada por Moro no Twitter hoje conclui em tom de alerta: “Continuem, mas convém um pouco de reflexão para não se desmoralizarem. Se houver algo sério e autêntico, publiquem por gentileza.”

Até o fechamento deste texto, a mensagem de Moro tinha quase 60 mil curtidas.