Acidentes com drones de entrega na Suíça apontam caminhos para evolução da tecnologia


Dois acidentes recentes envolvendo drones de entrega da empresa americana Matternet, contratada pelos correios da Suíça para um programa piloto de entrega aérea, revelam alguns dos desafios que a indústria tem pela frente, antes de esse tipo de tecnologia poder ser adotada de forma mais ampla.

Uma primeira queda, em 25 de janeiro, ocorreu sobre o Lago Zurique, e foi causada por um curto-circuito que interrompeu o fornecimento de energia ao GPS do equipamento, o que levou ao acionamento do sistema de emergência, que inclui para-quedas e sinal de alerta luminoso e sonoro. Os mecanismos de emergência funcionaram como o esperado, segundo a empresa, que usou o episódio para aprimorar as aeronaves com redundância no fornecimento de energia para o GPS e bússola.

Os drones da Matternet são dotados de 4 motores, e desenhados para transportar cargas de até dois quilos a uma distância de até 10 quilômetros. Na Suíça, vinham sendo usados para carregar amostras de laboratório de forma muito mais eficiente do que via transporte em solo.

O segundo acidente, em maio, foi mais sério. Possivelmente por conta de interferência do vento nos sensores, o para-quedas de um dos drones foi acionado erroneamente minutos depois da decolagem. O cabo único que ligava o para-quedas à aeronave enroscou em uma parte cortante e rompeu, ocasionando uma queda sobre uma área da Universidade de Zurique, próximo a crianças que brincavam no local. Felizmente, ninguém se feriu. Mas o uso dos drones foi temporariamente suspenso.

A Matternet anunciou ajustes no design dos drones para evitar que novos acidentes como o de maio aconteçam: o para-quedas será preso com duas cordas, em vez de uma, e elas serão reforçadas com metal para evitar seu rompimento. Por último, os alarmes sonoros, criados para alertar pessoas nos arredores em caso de queda, serão mais altos.

Os acidentes com os drones da Matternet na Suíça apontam caminhos para a evolução dessa tecnologia em seu uso em serviços de entrega – principalmente no quesito segurança. Essas aeronaves precisarão circular por áreas densamente populadas, em grandes cidades, para cumprir suas tarefas de entrega. Pense em uma metrópole como São Paulo, ou Nova York. Um acidente com os da Suíça poderia ter consequências fatais. Portanto, é importante que o design dessas aeronaves sejam projetados com as redundâncias necessárias para que falhas de sistema sejam cada vez mais raras, e mesmo em casos de imprevisto, os mecanismos de emergência estejam prontos para assegurar a integridade da população em solo.

Fonte: IEEE Spectrum