Depois de ser criticada pela ineficácia e pelo risco que pode representar à sociedade, a tecnologia de reconhecimento facial da Amazon, a Rekognition, volta a ser alvo de ataques. Desta vez, são os próprios acionistas da empresa, membros de uma organização sem fins lucrativos, que redigiram uma carta de protesto.

No documento, os acionistas pedem que as vendas da Rekognition a agências governamentais sejam encerradas, até que uma investigação mais aprofundada sobre os possíveis impactos negativos e eventuais abusos da tecnologia seja concluída.

Em testes anteriores, a Rekognition se mostrou falha: associou erroneamente as imagens de 28 membros do Congresso americano a fotos de criminosos. O temor dos grupos de defesa de direitos civis é que, usada por agências governamentais, a tecnologia poderia causar problemas muito maiores.

A Amazon não comentou a carta, mas em uma conferência de tecnologia, o CEO da empresa, Jeff Bezos, já expressou sua opinião, de que parar de fazer negócios com agências governamentais seria "um erro".

Em notícias relacionadas, no Brasil, um grupo de políticos ligado ao presidente Bolsonaro viajou à China para estudar também tecnologias de reconhecimento facial, para uso com câmeras públicas de monitoramento da população permanente.

Distopia pouca ou quer mais?

Fonte: The Verge