Como ter boas ideias de startup

Startups

Este texto foi escrito por Paul Graham e publicado originalmente em sua página pessoal. Paul é empreendedor, investidor e um dos maiores mentores do Vale do Silício, fundador da aceleradora Y Combinator. Nessas funções, ele ajudou no crescimento de empresas como Reddit, Airbnb e Dropbox. Paul autorizou a tradução e publicação deste artigo na Hackpedia.

A melhor maneira de ter ideias de startup é não pensar em ideias de startup, e sim procurar por problemas, preferencialmente problemas que você mesmo tenha.

As melhores ideias de startup tendem a possuir três coisas em comum: elas são algo que os fundadores querem, que eles podem construir, e que poucos percebem que vale a pena fazer. Microsoft, Apple, Yahoo, Google e Facebook começaram dessa forma.

Problemas

Por que é tão importante trabalhar em um problema que você tenha? Entre outras coisas, garante que o problema realmente exista. Soa óbvio dizer que você deveria trabalhar apenas em problemas que existam. Ainda assim, de longe, o erro mais comum que startups cometem é solucionar problemas que ninguém possui.

Eu mesmo o cometi. Em 1995, comecei uma companhia para colocar galerias de arte online. Mas galerias não queriam estar online. Não é assim que o mercado de arte funciona. Então por que eu gastei 6 meses trabalhando nessa ideia idiota? Porque eu não prestei atenção aos usuários. Eu inventei um modelo de mundo que não correspondia à realidade, e trabalhei a partir daí. Eu não reparei que meu modelo estava errado até tentar convencer os usuários a pagar pelo que eu havia construído. Ainda assim eu demorei para entender. Eu estava apegado a meu modelo de mundo, e gastei muito tempo desenvolvendo o software. Eles tinham que quere-lo!

Por que tantos fundadores criam coisas que ninguém quer? Porque eles começam pensando em ideias de startup. Essa estratégia é duplamente perigosa: ela não apenas rende poucas boas ideias; ela rende ideias ruins que soam plausíveis o suficiente para enganar você e levá-lo a trabalhar nelas.

Na Y Combinator, nós as chamamos de ideas de startup “inventadas” ou “de sitcom”. Imagine que um personagem em um programa de TV estivesse começando uma startup. Os roteiristas teriam que inventar algo para ela fazer. Mas ter boas ideias de startup é difícil. Não é algo que você consiga do nada. Então (a menos que sejam incrivelmente sortudos) os roteiristas inventariam alguma ideia que soasse plausível, mas que seria ruim na verdade.

Por exemplo, uma rede social para donos de animais de estimação. Não soa obviamente equivocado. Milhões de pessoas têm pets. Elas geralmente se importam muito com seus animais e gastam muito dinheiro neles. Certamente muitas dessas pessoas gostariam de um site onde elas pudessem falar com outros donos de animais. Talvez nem todos, mas se apenas 2 ou 3 por cento fossem visitantes regulares, você poderia ter milhões de usuários. Você poderia servi-los ofertas direcionadas, e talvez cobrar por ferramentas premium.

O perigo de uma ideia como essa é que quando você a demonstra a seus amigos com animais de estimação, eles não vão dizer “Eu nunca usaria isso”. Eles dizem “Sim, talvez eu possa usar algo assim”. Mesmo quando a startup é lançada, soará plausível para muitas pessoas. Elas não vão querer usar, pelo menos não por enquanto, mas elas imaginam outras pessoas usando. Some essa reação ao longo de toda a população, e você não terá nenhum um usuário.

Poços

Quando uma startup é lançada, deve haver ao menos alguns usuários que realmente precisam daquilo que você está fazendo — não apenas pessoas que poderiam se enxergar usando aquilo algum dia, mas que o desejam urgentemente. Geralmente esse grupo inicial de usuários é pequeno, pela simples razão de que se houvesse algo que um grande número de pessoas precisassem urgentemente e que pudesse ser construído com a quantidade de esforço que uma startup geralmente investe numa primeira versão, essa coisa provavelmente já existiria. O que significa que você precisa abrir mão em uma dimensão: ou você pode construir algo que um grande número de pessoas deseja um pouco, ou algo que um pequeno número de pessoas deseja muito. Escolha o segundo. Nem todas as ideias desse tipo são boas ideias de startup, mas quase todas as boas ideias de startup são desse tipo.

Imagine um gráfico em que o vetor x represente todas as pessoas que possam querer o que você está construindo e em que o vetor y representa o quando elas o desejam. Se você inverter a escala no vetor y, poderá ver as companhias como buracos. O Google é uma imensa cratera: centenas de milhões de pessoas o usam, e elas precisam muito dele. Uma startup que esteja começando não pode esperar escavar tanto volume. Então você tem duas escolhas de formato do buraco com que vai começar. Ou você cava um buraco largo e raso, ou estreito e profundo, como um poço.

Google

Ideias de startup inventadas geralmente são do primeiro tipo. Muitas pessoas estão razoavelmente interessadas em uma rede social para donos de animais de estimação.

Quase todas as boas ideias de startup são do segundo tipo. A Microsoft era um poço quando fez o Altair Basic. Havia apenas alguns milhares de donos de Altair, mas sem esse software eles estariam programando na linguagem da máquina. Trinta anos depois o Facebook tinha esse mesmo formato. Seu primeiro site era exclusivo para estudantes de Harvard, mas aqueles poucos milhares de usuários queriam muito usá-lo.

Quando você tiver uma ideia para uma startup, pergunte-se: quem quer isso neste momento? Quem quer isso tanto que usaria até uma primeira versão tosca feita por uma startup de duas pessoas da qual nunca ouviu falar? Se você não puder responder a isso, a ideia é provavelmente ruim.

Você não precisa tanto de um poço estreito. É a profundidade de que você precisa; esse outro fator é um efeito colateral de otimizar em busca de profundidade (e velocidade). Mas é isso o que acontece quase sempre. Na prática, o elo entre profundidade e pouca largura é tão forte que acaba sendo um bom sinal saber que uma ideia vai interessar fortemente um tipo específico de usuários.

Mas, apesar de demanda no formato de poço ser uma condição quase necessária para uma boa ideia de startup, ela não é suficiente. Se Mark Zuckerberg tivesse construído algo que só pudesse interessar a alunos de Harvard, não teria sido uma boa ideia de startup. O Facebook foi uma boa ideia porque começou com um mercado pequeno que possuía uma rápida trajetória de saída. Faculdades são suficientemente parecidas que se você faz um facebook que funcione para Harvard, ele vai funcionar em qualquer faculdade. Então você espalha rapidamente por todas as faculdades. Assim que você tiver todos alunos de graduação, você consegue todo o resto simplesmente os deixando entrar.

Semelhante para a Microsoft: Basic para o Altair; Basic para outras máquinas; outras linguagens além do Basic; sistemas operacionais; aplicações; IPO.

Você

Como você pode saber se há um caminho de saída para uma ideia? Como você pode saber se algo é a semente de uma companhia gigantesca, ou apenas um produto de nicho? Geralmente você não pode. Os fundadores do Airbnb não perceberam de início quão grande era o mercado que eles estavam abrindo. Inicialmente eles tinham uma ideia muito mais estreita. Eles iam deixar anfitriões alugar espaços em suas propriedades durante convenções. Eles não previram a expansão dessa ideia; ela se forçou sobre eles gradualmente. Tudo que eles sabiam no início é que eles tinham acertado algo. Isso é provavelmente o tanto que Bill Gates ou Mark Zuckerberg sabiam no começo.

Ocasionalmente é óbvio desde o começo quando há um caminho de saída de um nicho inicial. E às vezes eu consigo enxergar um caminho que não é imediatamente óbvio; essa é uma das nossas especialidades na Y Combinator. Mas há limites de quão bem isso pode ser feito, não importa quanta experiência você tenha. A coisa mais importante a se compreender sobre caminhos para além de uma ideia inicial é o meta-fato de que eles são difíceis de se enxergar.

Então, se você não pode prever se há uma continuação para uma ideia, como você pode escolher entre ideias? A verdade é desapontadora mas interessante: se você for o tipo certo de pessoa, você possui o tipo certo de pressentimento. Se você estiver na fronteira de uma área que está mudando rapidamente, quando tiver o pressentimento de algo vale ser feito, você provavelmente estará certo.

No livro Zen and the Art of Motorcycle Maintenance, o autor Robert Pirsig diz: quer saber como pintar um quadro perfeito? É fácil. Torne-se perfeito e então simplesmente pinte naturalmente. Eu refleti sobre essa passagem desde que eu a li no colegial. Não tenho certeza quão útil esse conselho é para a pintura especificamente, mas ele se enquadra bem nessa situação. Empiricamente, a melhor maneira de ter boas ideias de startup é se tornar o tipo de pessoa que as tem.

Pollock

Estar na fronteira mais inovadora de uma área não significa que você precisa ser a pessoa que está fazendo ela avançar. Você também pode estar na fronteira como um usuário. Não foi tanto pelo fato de Mark Zuckerberg ser um programador que o Facebook pareceu uma boa ideia quanto por ele usar muito computadores. Se você perguntasse para a maioria das pessoas com 40 anos em 2004 se elas gostariam de publicar suas vidas semi-publicamente na Internet, elas teriam ficado horrorizadas com a ideia. Mas Mark já vivia online; para ele parecia natural.

Paul Buchheit diz que as pessoas na fronteira da inovação em áreas que mudam rapidamente “vivem no futuro”. Combine isso com Pirsig e você tem o seguinte: viva no futuro, então construa o que está faltando. Isso descreve a maneira que muitas, se não a maioria das maiores startups começaram. Nem a Apple nem o Yahoo nem o Google nem o Facebook eram para ser companhias no começo. Eles cresceram de coisas que seus fundadores criaram porque parecia haver uma lacuna no mundo.

Se você olhar para a maneira com que os fundadores de sucesso tiveram suas ideias, geralmente é o resultado de estímulo externo atingindo uma mente preparada. Big Gates e Paul Allen ouviram falar no Altair e pensaram “Aposto que poderíamos escrever um interpretador Basic para ele”. Drew Houston do Dropbox percebeu que ele havia esquecido sua memória USB e pensou “Eu realmente preciso deixar meus arquivos disponíveis online”. Muitas pessoas ouviram falar no Altair. Muitas esqueceram suas memórias USB. A razão pela qual esses estímulos fizeram esses fundadores começarem companhias foi que suas experiências os tinham preparado para perceber as oportunidades que eles representavam.

O verbo que você quer usar em relação a ideias de startup não é “pensar” mas “perceber”. Na Y Combinator nós chamamos as ideias que crescem naturalmente das experiências pessoais dos fundadores de ideias “orgânicas” de startup. Quase todas as startups de maior sucesso começam dessa maneira.

Isso pode não ser o que você gostaria de ouvir. Você pode ter esperado receitas para ter ideias de startup, e em vez disso estou lhe dizendo que a chave é ter uma mente que esteja preparada da maneira certa. Mas por mais desapontador que possa ser, essa é a verdade. E não deixa de ser um tipo de receita, apenas uma que no pior dos casos leva um ano em vez de um fim de semana.

Se você não estiver na fronteira inovadora de alguma área que esteja mudando rapidamente, você pode conseguir uma. Por exemplo, qualquer um razoavelmente inteligente pode chegar à fronteira da programação (criação de apps, por exemplo) em um ano. Como uma startup de sucesso vai consumir pelo menos de 3 a 5 anos da sua vida, um ano de preparação seria um investimento razoável. Especialmente se você também estiver em busca de um cofundador.

Você não precisa aprender a programar para estar na fronteira inovadora de um domínio que esteja mudando rapidamente. Outras áreas mudam rapidamente. Mas apesar de aprender a hackear não ser necessário, essa habilidade é suficiente para o futuro visível. Como diz o investidor Marc Andreessen, o software está devorando o mundo, e essa tendência tem décadas pela frente.

Saber programar também significa que quando você tem ideias, você será capaz de implementá-las. Isso não é absolutamente necessário (Jeff Bezsos não sabia) mas é uma vantagem. É uma grande vantagem, quando você considera uma ideia como colocar online um facebook universitário, em vez de pensar apenas “Essa é uma ideia interessante”, você pode pensar “Essa é uma ideia interessante. Vou tentar criar uma versão inicial esta noite”. É ainda melhor quando você é tanto programador quanto o usuário-alvo, porque o ciclo necessário para gerar novas versões e testá-las com usuários pode acontecer dentro da sua cabeça.

Percepção

Uma vez que você estiver vivendo no futuro de certa forma, a maneira de perceber ideias de startup é buscar por coisas que estejam faltando. Se você realmente estiver na fronteira inovadora de um campo em rápida transformação, haverá coisas obviamente faltando. O que não é óbvio é que elas são ideias de startup. Então, se você quiser encontrar ideias de startup, não ligue apenas o filtro “O que falta?”, mas também desligue qualquer outro filtro, particulamente “Isso pode ser uma grande companhia?” Haverá muito tempo para aplicar esse teste mais tarde. Mas se você estiver pensando nisso inicialmente, pode não apenas deixar de fora muitas boas ideias, mas também o levar a se concentrar nas ruins.

Muitas das coisas que faltam levam tempo a ser percebidas. Você praticamente tem que se enganar para ver as ideias ao seu redor.

Mas você sabe que as ideias estão por aí. Esse não é um daqueles problemas que podem não ter solução. É impossível que esse seja o exato momento em que o progresso tecnológico vá parar. Você pode ter certeza que pessoas criarão a próxima grande coisa nos anos a seguir que farão você pensar “O que eu fazia antes de x?”

E quando esses problemas são solucionados, eles provavelmente parecerão óbvios em retrospecto. O que você precisa fazer é desligar os filtros que geralmente o impedem de enxergá-los. O mais poderoso é simplesmente aceitar o mundo como ele é. Até a pessoa com a mente mais radicalmente aberta entre nós faz isso. Você não poderia ir da sua cama até a porta se você parasse para questionar tudo.

Mas se você estiver procurando por ideias de startup você pode sacrificar um pouco da eficiência de aceitar o status quo e começar a questionar as coisas. Por que a sua caixa de email está lotada? Por que você recebe tantas mensagens” Quais problemas as pessoas estão tentando resolver ao lhe enviar um email? Existem formas melhores de resolvê-los? E por que é difícil de tirar emails da sua caixa? Por que você os mantém depois de tê-los lido? Um inbox é a ferramenta ideal para isso?

Preste atenção particularmente às coisas que irritam você. A vantagem de aceitar o status quo não é apenas tornar a vida mais eficiente, mas também fazer ela ser mais tolerável. Se você soubesse de todas as coisas que teremos nos próximos 50 anos mas que ainda não possuímos, você acharia o presente muito restrito, assim como alguém do presente se sentiria se fosse enviado 50 anos atrás em uma máquina do tempo. Quando algo incomoda você, pode ser porque você está vivendo no futuro.

Quando você encontra o tipo certo de problema, você deveria ser capaz de descrevê-lo como óbvio, ao menos para você. Quando começamos a Viaweb, todas as lojas online foram criadas na mão, por designers web fazendo páginas HTML individuais. Era óbvio para nós como programadores que esses sites teriam que ser gerados por software.

O que significa, estranhamente, que ter ideias de startup é uma questão de enxergar o óbvio. Isso sugere como esse processo é estranho: você está tentando enxergar coisas óbvias, e ainda assim você não as viu.

Como o que você precisa fazer aqui é afrouxar um pouco sua própria mente, pode ser melhor não tentar muito um ataque frontal ao problema, como se sentar e pensar em ideias. O melhor plano pode ser simplesmente manter um processo rodando no fundo, buscando coisas que podem estar faltando. Trabalhe em problemas difíceis, levado principalmente pela curiosidade, mas tenha um segundo “eu” observando sobre seus ombros, tomando notas de lacunas e anomalias.

Dê um tempo para você. Você tem muito controle sobre a taxa com que você torna sua mente preparada, mas tem menos controle sobre os estímulos que acionam ideias quando batem. Se Bill Gates e Paul Allen tivessem se limitado a ter uma ideia de startup em um mês, o que aconteceria se eles tivessem escolhido um mês antes de o Altair aparecer? Eles provavelmente teriam trabalhado em uma ideia menos promissora. Drew Houston trabalhou em uma ideia menos promissora antes do Dropbox: uma startup de preparação para o vestibular. Mas o Dropbox era uma ideia muito melhor, tanto no sentido absoluto quando em conformidade com suas habilidades.

Microsoft

Uma boa forma de se levar a perceber ideias é trabalhar em projetos que parecem ter potencial de ser legais. Se você faz isso, naturalmente tende a criar coisas que estejam faltando. Porque criar algo que já existe não pareceria tão interessante.

Assim como tentar pensar em ideias de startup tende a produzir ideias ruins, trabalhar em coisas que poderiam ser descartadas como “brinquedos” geralmente produz boas ideias. Quando alguma coisa é descrita como um brinquedo, isso significa que ela tem tudo que uma ideia precisa, exceto ser importante. Ela é legal; os usuários a amam; ela simplesmente não importa. Mas se você estiver vivendo no futuro e construir alguma coisa legal que os usuários amam, ela pode importar mais que as pessoas pensam. Computadores pareciam brinquedos quando a Apple e a Microsoft começaram a trabalhar neles. Eu sou velho o bastante para lembrar dessa época; o termo comum para pessoas com computadores era “hobbistas”. O BackRub parecia um projeto de ciência inconsequente. O Facebook era apenas uma forma de universitários stalkearem uns aos outros.

Na Y Combinator nós nos empolgamos ao encontrar uma startup trabalhando em coisas que podemos imaginar sabe-tudos descartando como brinquedos. Para nós, essa é uma evidência positiva de que uma ideia é boa.

Se você puder assumir a visão de longo prazo (e você tem que fazer isso), pode transformar “Viva no futuro e crie o que estiver faltando” em algo ainda melhor: Viva no futuro e crie o que parecer interessante.

Competição

Pelo motivo que uma boa ideia deveria parecer óbvia, quando você tem uma você tende a sentir que está atrasado. Não deixe isso te deter. Preocupar-se com o fato de estar atrasado é um dos sinais de uma boa ideia. Dez minutos de pesquisa na web geralmente vai resolver a questão. Mesmo que você encontre alguém trabalhando na mesma coisa, você provavelmente não estará muito atrasado. É excepcionalmente raro para startups serem mortas por competidores — tão raro que você pode praticamente esquecer essa possibilidade. Então, a menos que você encontre um competidor com um tipo de barreira que evite que os usuários escolham você, não descarte sua ideia.

Se você não tem certeza, pergunte aos usuários. A questão sobre se você está muito atrasado está associada à questão sobre se alguém precisa urgentemente daquilo que você planeja fazer. Se você tem algo que nenhum competidor faz e que algum grupo de usuários precisa urgentemente, você tem uma praia a ser invadida.

D Day

A pergunta é se essa praia é grande o bastante. Ou mais importante, quem está nela: se a praia consiste em pessoas fazendo algo que muitas outras pessoas farão no futuro, então ela provavelmente é grande o bastante. Por exemplo, se você estiver criando algo diferente dos competidores pelo fato de funcionar em smartphones, mas rodar apenas nos modelos mais novos, provavelmente é uma praia grande o suficiente.

Fundadores sem experiência geralmente dão aos competidores mais crédito do que eles merecem. Se você vai ser bem sucedido depende muito mais de você do que de seus competidores. Então é melhor uma boa ideia com competição do que uma ruim sem nenhuma.

Você não precisa se preocupar em entrar em um “mercado lotado” enquanto você possuir uma tese que todos estejam desprezando. Na verdade, esse é um começo promissor. O Google era esse tipo de ideia. Mas sua tese tem que ser mais precisa que “vamos fazer um x que não seja uma merda”. Você precisa ser capaz de descrever em termos de algo que os concorrentes não estejam enxergando. O melhor é quando você pode dizer que eles não tiveram coragem de seguir suas convicções, e que seu plano é o que eles teriam feito se eles tivessem seguido sua própria visão. O Google era esse tipo de ideia também. Os motores de busca que o precederam se desviaram das implicações mais radicais do que eles estavam fazendo — particularmente que quanto melhor fosse seu trabalho, mais rápido o usuário sairia.

Um mercado cheio é na verdade um bom sinal, porque significa que há demanda e que nenhuma das soluções existentes é boa o bastante. Uma startup não pode esperar entrar em um mercado que seja obviamente grande e que não tenha nenhum competidor. Então qualquer startup que seja bem sucedida ou está entrando em um mercado com competidores, mas equipada com alguma arma secreta que vai roubar todos seus usuários (como o Google), ou está entrando em um mercado que parece pequeno mas que se tornará grande (como a Microsoft).

Filtros

Há mais dois filtros que você precisará desligar se quiser perceber ideias de startup: o filtro do que não é sexy e o filtro do que é difícil, a ponto de ser um fardo.

A maioria dos programadores gostariam de poder começar uma startup simplesmente escrevendo um código brilhante, colocando-o em um servidor, com usuários pagando muito dinheiro. Eles prefeririam não ter que lidar com problemas entediantes ou que se involver de formas bagunçadas com o mundo real. O que é uma preferência razoável, porque esse tipo de coisas freia você. Mas essa preferência é tão comum que o espaço para ideias convenientes de startup está bastante vazio. Se você deixar sua mente vagar alguns quarteirões abaixo na rua das ideias confusas e tediosas, você encontrará algumas delas valiosas, esperando para ser implementadas.

Filtrar o que for um fardo é tão perigoso que eu escrevi um ensaio separado sobre a condição que ele induz, que eu chamado de cegueira do fardo. Eu dei a Stripe como exemplo de uma startup que se beneficiou ao desligar esse filtro. Milhares de programadores estavam na posição de enxergar essa ideia; milhares de programadores sabiam como era doloroso processar pagamentos antes da Stripe. Mas quando eles buscavam ideias de startup, eles não enxergavam essa, porque inconscientemente eles fugiam de ter que lidar com pagamento. E lidar com pagamentos é um fardo para a Stripe, mas não um intolerável. Na verdade, isso pode ter sido uma vantagem. Como o medo de lidar com pagamentos manteve a mairia das pessoas longe dessa ideia, a Stripe teve uma navegação relativamente tranquila em áreas que são geralmente doloridas, como aquisição de usuários. Eles não precisaram se esforçar muito para ser ouvidos pelos usuários, porque os usuários estavam esperando desesperadamento pelo que eles estavam criando.

O filtro do “não-sexy” é semelhante, exceto pelo fato de que ele evita que você trabalhe em problemas que você despreza em vez daqueles que você teme. Nós vencemos esse para trabalhar na Viaweb. Havia coisas interessantes na arquitetura do nosso software, mas nós não estávamos interessados em comércio eletrônico. Mas nós podíamos ver que aquele problema precisava ser solucionado.

Desligar o filtro do que é difícil, ou um fardo, é mais importante do que desligar o filtro do que não é sexy, porque o filtro do que é difícil tem mais chances de ser uma ilusão. Começar uma startup de sucesso será trabalhoso, de qualquer forma. Mesmo que o produto não tenha uma série de dificuldades, você ainda terá que lidar com investidores, contratar e demitir pessoas, e por aí vai. Então se houver alguma ideia que você acha que seria legal mas que te mantém afastado por medo das dificuldades envolvidas, não se preocupe: qualquer ideia boa suficiente terá os mesmos problemas.

O filtro do que não é sexy, apesar de também ser uma fonte de erro, não é totalmente inútil. Se você estiver na fronteira inovadora de um campo em rápida mudança, sua ideia do que é sexy estará relacionada de alguma forma com o que tem valor na prática. Particularmente quando você se torna mais velho e com mais experiência. E quando mais sexy você achar a ideia, mais entusiasmado você trabalhará nela.

Receitas

Apesar de a melhor forma de ter ideias de startup é se tornar o tipo de pessoa que as tem e criar o que interessa a você, algumas vezes você não se pode dar a esse luxo. Às vezes você precisa de uma ideia naquele momento. Por exemplo, se você está trabalhando em uma startup e sua ideia inicial acaba se mostrando ruim.

Pelo resto desse ensaio eu vou falar dos truques para ter ideias de startup on demand. Apesar de você se sair melhor empiricamente usando a estratégia orgânica, você pode conseguir dessa maneira. Só é preciso ser mais disciplinado. Quando você usa o método orgânico, você nem percebe a ideia a menos que seja uma evidência de algo que esteja realmente faltando. Mas quando você faz um esforço consciente de pensar em ideias de startup, é preciso substituir essa restrição natural com auto-disciplina. Você verá bem mais ideias, a maioria delas ruins, então você precisa ser capaz de filtrá-las.

Um dos maiores perigos em não usar o método orgânico é o exemplo do método orgânico. Ideias orgânicos parecem inspiração. Há muitas histórias de startups de sucesso que começaram quando os fundadores tiveram o que parecia uma ideia maluca mas simplesmente sabiam que ela era promissora. Quando você sente isso de uma ideia que você teve quando tenta ter ideias de startup, provavelmente está enganado.

Ao procurar por ideias, busque em áreas que você tenha algum conhecimento. Se você for um perito em bancos de dados, não crie um app de chat para adolescentes (a menos que você também seja um adolescente). Talvez seja uma boa ideia, mas você não pode confiar no seu julgamento sobre isso, então ignore. Deve haver outras ideias que envolvam bancos de dado, cuja qualidade você possa julgar. Você acha difícil ter boas ideias envolvendo bases de dados? É porque sua aptidão aumenta seus critérios. Suas ideias sobre apps de chat são tão ruins quanto, mas você não está vendo direito nessa área.

O lugar para se começar a procurar por ideias está em coisas das quais você precisa. Deve haver coisas das quais você precisa.

Um bom truque é se perguntar se no seu trabalho anterior você já se pegou se perguntando “Por que alguém não faz x? Se alguém fizesse x eu comparia em um segundo”. Se você conseguir pensar em algum x que as pessoas falaram sobre, você provavelmente tem uma ideia. Você sabe que há demanda, e as pessoas não falam isso sobre coisas impossíveis de se construir.

Mais genericamente, tente se perguntar se há algo incomum sobre você que faz suas necessidades diferentes das da maioria das pessoas. Você provavelmente não é o único. É especialmente bom se você for diferente de uma maneira que as pessoas serão no futuro, cada vez mais.

Se você estiver mudando de ideia, uma coisa incomum sobre você é a ideia em que estava trabalhando anteriormente. Você descobriu alguma necessidade enquanto trabalhava nela? Muitas startups conhecidas começaram desse jeito. O Hotmail começou como algo que seus fundadores criaram para conversar sobre sua ideia anterior de startup enquanto estavam no trabalho.

Uma forma particularmente promissora de ser incomum é ser jovem. Algumas das ideias mais valiosas nascem entre pessoas em sua adolescência ou com vinte e poucos anos. E apesar de fundadores jovens estarem em desvantagem de alguma forma, eles são os únicos que realmente entendem seus pares. Seria muito difícil para alguém que não estivesse na faculdade começar o Facebook. Então, se você for um fundador jovem (com menos de 23 anos), há coisas que você e seus amigos gostariam de fazer que a tecnologia atual não permite?

Facebook

A próxima melhor coisa para uma necessidade não solucionada sua é uma necessidade não solucionada de outra pessoa. Tente falar com todos aqueles que você puder sobre lacunas que eles encontram no mundo. O que está faltando? O que eles gostariam de fazer que eles não conseguem? Deixe a conversa ficar bem ampla; não tente encontrar ideias de startup com muita força. Você só está procurando por algo que acione um pensamento. Talvez você vá encontrar um problema que eles não tenham percebido conscientemente, porque você sabe como resolvê-lo.

Quando você encontra uma necessidade não solucionada que não seja sua, pode ser um pouco nebuloso a princípio. A pessoa que precisa de algo pode não saber exatamente do que precisa. Nesse caso eu recomendo que fundadores ajam como consultores — que eles façam o que fariam se tivessem que resolver os problemas desse único usuário. Os problemas das pessoas são semelhantes o bastante para que quase todo código que você escrever dessa forma será reutilizável, e o que não for será um pequeno preço pago por começar com a certeza de você chegou ao fundo do poço.

Uma forma de garantir que você esteja fazendo um bom trabalho resolvendo os problemas de outras pessoas e torná-los seus. Quando Rajat Suri do E la Carte decidiu escrever software para restaurantes, ele conseguiu um emprego como garçom para aprender como restaurantes funcionavam. Isso pode parecer extremo, mas startups são extremas. Nós amamos quando fundadores fazem coisas assim.

Na verdade, uma estratégia que eu recomendo às pessoas que precisem de uma nova ideia é não apenas desligar seu filtro para coisas difíceis ou que não sejam sexy, mas buscar ideias que não sejam sexy ou que envolvam algum tipo de fardo. Não tente começar o Twitter. Essas ideias são tão raras que você não consegue encontrá-las procurando por elas. Faça algo que não seja sexy e que as pessoas pagarão por ela.

Um bom truque para superar esses filtros é se perguntar o que você gostaria que alguém construisse, para que você pudesse usar. Pelo que você pagaria?

Como startups às vezes se aproveitam de companhias e indústrias quebradas, pode ser uma boa maneira olhar para essas que estão morrendo, ou merecem isso, e tentar imaginar que tipo de companhia lucraria com o seu desaparecimento. Por exemplo, o jornalismo está em queda livre neste momento. Mas pode haver dinheiro a ser feito de algo como jornalismo. Que tipo de companhia pode levar as pessoas no futuro a falar “isso substituiu o jornalismo” em alguma dimensão?

Mas se imagine perguntando isso no futuro, não agora. Quando uma companhia ou indústria substitui outra, geralmente ela vem paralelamente. Então não procure por um substituto para x; procure por algo que as pessoas dirão mais tarde que acabou se revelando um substituto para x. E seja imaginativo em relação aos eixos em que a substituição ocorre. Jornalismo tradicional, por exemplo, é uma maneira dos leitores conseguirem informação e matar o tempo, uma forma de escritores fazerem dinheiro e conseguir atenção, e um veículo para diversos tipos de publicidade. Ele poderia ser substituído em qualquer um desses eixos (já começou a ser na maioria).

Quando startups consomem concorrentes, elas geralmente começam servindo um mercado pequeno, mas importantes, que os players maiores ignoram. É particularmente bom se houver um pouco de desdém na atitude dos grandalhões, porque isso geralmente os engana. Por exemplo, depois que Steve Wozniak construiu o computador que se tornou o Apple I, ele se sentiu obrigado a dar a seu empregador na época, a Hewlett-Packard, a opção de produzi-lo. Felizmente para ele, eles negaram, e uma das razões que eles o fizeram foi porque o computador usava uma TV como monitor, o que parecia intolerável a uma companhia de hardware de ponta como a HP naquela epoca.

Steve Wozniak

Há grupos de usuários estranhos mas sofisticados como os primeiros “hobistas” dos computadores que estão sendo atualmente ignorados pelos grandes players? Uma startup de olho em coisas grandes pode capturar um mercado pequeno facilmente alocando um esforço que não seria justificado por aquele mercado apenas.

Similarmente, como a maioria das startups mais bem sucedidades geralmente surfam uma onda maior que elas mesmas, seria um bom truque olhar para as ondas e se perguntar como alguém poderia se beneficiar delas. Os preços do sequenciamento genético e da impressão 3D passam por quedas como as da Lei de Moore. Que coisas novas nós poderemos fazer no novo mundo que teremos em poucos anos? O que estamos descartando inconscientemente como impossível e que brevemente será possível?

Orgânico

Mas falar em buscar por ondas torna claro que essas receitas são planos B para ter ideias de startup. Procurar por ondas é essencialmente uma maneira de simular o método orgânico. Se você estiver na fronteira inovadora de algum campo em rápida transformação, não precisa procurar por ondas; você é a onda.

Encontrar ideias de startup é um negócio sutil, e é por isso que a maior parte das pessoas que tenta falha miseravelmente. Não funciona bem simplesmente tentar pensar em ideias de startup. Se você faz isso, consegue ideias ruins que soam plausíveis. A melhor estratégia é mais indireta: se você tiver o tipo certo de experiência, boas ideias de startup parecerão óbvias para você. Mas ainda assim, não imediatamente. Leva tempo até encontrar situações em que você nota que há algo faltando. E muitas vezes essas lacunas não parecerão ideias para empresas, apenas coisas que seriam interessantes de se construir. E por isso é bom ter o tempo e a inclinação para criar coisas simplesmente porque elas são interessantes.

Viver no futuro e construir o que parece ser interessante. Pode soar estranho, mas essa é a verdadeira receita.