Autopsy reúne histórias reais de start-ups que fracassaram


Autopsy

Errar é fundamental, assim como refletir sobre os erros que cometemos. Aprender com as falhas alheias também ajuda, nos livrando de cair em armadilhas já conhecidas. Sabendo da importância desse processo no empreendedorismo digital, a equipe do estúdio Milc lançou o Autopsy.

Essa página reúne casos reais de start-ups que fracassaram. Empresas que ficaram sem dinheiro, que não conseguiram desenvolver um produto atraente ou que simplesmente não funcionaram da maneira que seus cofundadores haviam imaginado.

O design e a estrutura do site têm uma simplicidade espartana – baseados em uma grande tabela do Drive. Mas a simplicidade visual não prejudica a eficiência do projeto. Cada linha da tabela possui as informações de uma start-up falida. Há nome da empresa, ideia por trás dela, motivo resumido para o fracasso, um link para a história completa e outro para o Twitter de um fundador.

Autopsy2

Ao navegar pela lista, você encontrará histórias como a da Outbox, que se propunha a digitalizar correspondência física. Fracassou, segundo seu fundador, por “não haver demanda suficiente”. Ou da Parceld, uma “plataforma para descoberta de estilos” que fechou depois que “o cofundador técnico saiu e levou o código”.

Confira outras histórias no Autopsy.